Motocicletas devem reforçar a Segurança Pública
16 de outubro de 2017
Presidente Sarney: Assembleia aprova plebiscito para mudança de nome do município
17 de outubro de 2017

Saúde Pública: Mais de 7 mil doses de vacina antirrábica são estragadas em Araioses

Populares e um vereador do município enviaram as denúncias ao editor do blog.

Segundo o vereador Arnaldo Machado, na última sexta feira (13), a sede da vigilância epidemiológica teve seu fornecimento de energia cortado por falta de pagamento, o que ocasionou o desligamento do refrigerador abastecido pelas vacinas anti-rábicas.

Ao todo, foram aproximadamente 7.600 vacinas estragadas.

Ainda segundo Arnaldo Machado e alguns populares, essas vacinas deveriam ter sido utilizadas em campanha realizada no mês de setembro, mas, por omissão do Executivo Municipal, isso não aconteceu.

Grande parte da população do município Araioses (380 km de São Luís) está chocada com o desperdício do recurso público.

Até o fechamento desta matéria, nenhum representante da Prefeitura de Araioses foi localizada para falar sobre o assunto.

Foto destaque: Ilustrativa

Imagens acima registrada em Araioses.

Saiba mais sobre a vacina anti-rábica

Embora, nos dias de hoje, a raiva seja uma doença considerada um tanto incomum, ela ainda é tida como uma grande preocupação por parte dos donos de pets. Incurável nos animais e fatal em 100% dos casos, a doença é uma zoonose e, portanto, também pode afetar os seres humanos – sendo que a vacina antirrábica é, ainda hoje, a sua única forma de prevenção.

Tendo isso em vista, no Brasil, a maioria dos estados e municípios promovem campanhas anuais de combate à doença, incentivando que os donos de pets levem seus bichinhos de estimação para que a vacina antirrábica possa ser administrada.

No entanto, como ainda há uma grande quantidade de animais abandonados por todo o País, a transmissão da doença não é algo descartado.

Transmitida por meio da saliva dos animais contaminados, a raiva é passada, principalmente, pela mordida dos animais doentes – sejam eles gatos ou cães. Nos cachorros e no homem, o vírus da doença pode permanecer encubado por até 2 meses antes que os seus sintomas (também bastante similares) comecem a aparecer; sendo que, nos gatos, a doença destaca sinais diferenciados, mas não menos agressivos.

Fonte: cachorrogato.com.br